sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

[Entrevista] Cultura Monstro

Há semanas estava com a idéia de fazer uma série de mini-entrevistas com bandas da cidade. Fazer um panorama geral do rock e do punk-hardcore. Especialmente das bandas que tenho tesão de ir aos shows, dançar e assim vai. A primeira entrevista é com Cultura Monstro, dpós pretendo fazer com Queda de Berlin, Fevereiro da Silva, Miopia e afins.

· Quem é quem, e quais as ocupações na Cultura Monstro?

Gus – Vocal e Guitarra, Eloperdido (Marcelo) – Backing vocal e contrabaixo, Rodri - Guitarra e Lauro – Bateria.

· Conceitue a tal Cultura Monstro:

A idéia original saiu de Osni Ezequiel (ex-carademarte) como Superid Cultura Monstro, segundo ele “A Superid Cultura Monstro tem o objetivo de educar o inconsciente humano, tornando este um ‘superincosciente’, daí o termo ‘Superid’.”¹

Eloperdido -Gus e eu tivemos a idéia de tirar o Superid e fazer uma nova interpretação desse conceito na perspectiva antropológica e sócio-ambiental, mas com o termo Cultura Monstro. Dissolvemos sua conotação de sentido positivo e transformamos num significado de autodestruição, como uma idéia futurista.

“Sabemos que o ser humano está cada vez mais dependente da tecnologia para sobreviver, na nossa interpretação isso levará os indivíduos a uma série de fatores maléficos à saúde. As pessoas já estão se mostrando suscetíveis à depressão e stress causados por dependências tecnológicas, essa geração está cada vez mais dependente de uma vida virtual, esse é o ponto de partida para uma vida cada vez mais alienada para essas e as futuras gerações, psicotrópicos e drogas sintéticas serão uma forma de escapar do tédio, nós imaginamos isso em massa, uma cultura alienada, uma cultura artificial, a falência da memória será um dos principais fatores para não termos mais sociabilidades e o caos se instalará nesse contexto”.

Por outro lado, temos as enormes catástrofes naturais que acontecerão devido ao aquecimento global, “o concreto vira mangue” (Gus) e várias outras causas que tornará um mundo de cultura monstruosa.

Acreditamos também que a idéia não pode ser algo que imponha às pessoas como a verdade única e incontestável, o nome pode ter conotações na medida em que as pessoas interpretem-na, como em qualquer outra obra, deixemos em aberto para que todos (as) possam fazer suas leituras à maneira que convir.

· A base sonora são elementos do rock, ska, funky e samba-rock. Gostaria de saber uma breve lista (de cada membro) de três bandas essenciais para entender a música da Cultura Monstro, é possível?

Além desses, queremos acrescentar mais alguns gêneros que cabem às nossas músicas, como psicodelia e groove, que aparecem em algumas das canções.

Bom, nós temos uma série de influências que não são comuns entre os integrantes hoje para estarmos criando na banda. Rodris não havia ainda tocado em outra banda, mas suas inspirações partiram de Lucio Maia (Nação Zumbi) e Dave Navarro (Jane’s Addiction), Lauro já teve como principais influências.

Lauro - "Numa família de músicos, como caçula, eu segui os passos do meu irmão Lelo (The Power Of The Bira), vidrei no estilo do Neil Peart (Rush) e há uns anos eu chapo no estilo do Chad Sexton (311)".

Gus vem de uma base essencialmente punk com Dee Dee Ramone, Tim Armstrong (Op Ivy e Rancid) e Joe Strummer (Clash). Eloperdido como baixista tem como mestre Matt Freeman (Op Ivy e Rancid) e o Jazz 1950 New Orleans que o inspiraram. Também tem como influência musical bandas que fizeram parte da cena Hardcore da década de 1990, principalmente a cena californiana.

Elo - “Naquele contexto eu aprendi e me apaixonei ainda mais por música”. (Elo).

· Projetos de gravação de material para divulgação?

Então, na próxima semana entraremos em estúdio para gravar duas músicas de nosso repertório, O Capital e Nada Sutil, serão nossas primeiras músicas para divulgar no meio virtual, por isso fiquem ligados (as) que antes do show, se tudo correr como planejamos, estaremos com áudio de Cultura Monstro no myspace, o link será divulgado nos outros ciberspaces que a banda já possui.

· A banda é composta por caras que já passaram por algumas bandas do cenário do rock subterrâneo (underground) da cidade. Nas bandas anteriores mantiveram ligados a essa base. Agora, os objetivos estão além do rock subterrâneo?

Nossas raízes são underground, estamos pensando em fazer músicas de qualidade e divertir nosso público, e para isso sabemos que não precisamos estar na indústria musical. Se acontecer algo além de tocar em festas ou em festivais de música underground é outra história.

· O "Romantismo & safadeza" é a base estética das letras, gostaria de um breve relato de como ocorre o processo de criação das letras, e se acontecerá um espaço para letras com outras temáticas?

“As Músicas foram inspiradas em amores zoados, paixões frustradas, dentre esses fatos algo deu certo para que eu escrevesse”. (Gus).

Gus convidou Elo para montar uma banda, Gustavo já havia composto as letras em sua maioria, e outras já haviam sido tocadas com OSCARADEMARTE, sua ex-banda. E conforme a banda foi consolidando-se ficaram as músicas que hoje estão no repertório, com a temática - Romantismo e Safadeza.

Quanto às outras temáticas, já temos composições que são fundamentadas na questão do conceito Cultura Monstro, mas pensamos em compor em conjunto também, para que as coisas aconteçam de forma mais democrática.

· No mês de novembro ocorreu a primeira apresentação. Agora, no dia 15 de dezembro, acontecerá a segunda apresentação. Quais são as expectativas e a seleção do repertório?

Na primeira apresentação fomos convidados, por isso a divulgação aconteceu na boca-a-boca mesmo. Dessa vez tivemos em mãos a oportunidade de organizar as bandas para tocar nessa festa e materiais para divulgá-la com três semanas de antecedência, isso foi uma grande conquista da banda.

A idéia é propor uma noite divertida e com diversidade musical, é o que acontecerá, pois as bandas que tocarão são totalmente diferentes em estilos, acreditamos que isso possa abranger públicos no sentido de juntar tribos de diferentes idéias, sem haver conflitos negativos entre elas, sem sentimento de inveja e sem competição, “tomara que dê certo!”.

O repertório será basicamente de músicas nossas, mas também tocaremos covers para divertir e quebrar um pouco, é legal essa coisa de tocar músicas que temos certeza que as pessoas gostarão e agitarão.

· Bom show no próximo dia 15 de dezembro e deixe seus recados.

Primeiramente queremos agradecer ao Maikon pela oportunidade de apresentar a nossa banda, nossa música e expor nossas idéias, sabemos que o espaço sempre é limitado para a música em qualquer lugar.

Queremos agradecer também nossos (as) amigos (as) de longa data e que sempre botaram fé em nós, e convidamos a todos (as) para nossa festa dia 15/12 no Old Music Bar, e reforçar que nossas músicas estarão logo no myspace para quem quiser conferir.

Sempre com humildade e pela união.

Aquele abraço, Cultura Monstro!!!

1 – Ver em: http://www.estupor.weblogger.terra.com.br/200608_estupor_arquivo.htm

Ver profile em: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=8863581744918372664

Comunidade em: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=42476885

5 comentários:

old disse...

A banda só se chama Cultura Monstro por causa de mim. Hahahahaahahaa Se não fosse eu, o texto estaria perdido para sempre e o Gus não teria base para dar esse nome. Detalhe que eu nem lembrava mais dessa descrição feita pelo Osni que o texto estava no meu hd. Hahahahahaha Resumindo, eu tenho mais mérito que o Osni. Hahahaahahahaaha

Deixando a brincadeira de lado, a entrevista está legal. Dia quinze de dezembro estarei lá no Old prestigiando.

Dá-lhe FIRMA!
VAMOS TOMAR O QUE É NOSSO!

Fê Ozório disse...

achei massa, heim guris?!?rs

beijos pra vcs!

dia 15 vamos tocar o terror!

ciber social metranka disse...

Puts...

Vamos agradecer ao PC, se ficar só PC parece sigla de partido comunista, mas mesmo assim, salve o pc que salvou o texto.

Fevereiro disse...

Viva o PC!

Gus disse...

Partido Comunista convoca:
Vamo p show sábado!!!
Gus