sábado, 5 de abril de 2008

[ Livros ] Uma Feira de mentira como se fosse uma Feira de verdade.

Na sexta-feira, dia 04 de Abril de 2008, começaram os dias da Feira do Livro de Joinville, o evento encontra-se na sua quinta edição.

Passei cerca de seis horas, visitando os corredores cobertos de lona na Praça Nereu Ramos, acompanhei a circulação de pessoas de diversos lugares da cidade, estudantes, professores-as e afins.

Entre os livros a maioria são livros sem tempero, sem novidades e não levou a minha inquietude de comprar livros e mais livros. Em determinados aspectos parece mais uma Feira de Papelaria e venda de revistas de meses passados e os vendedores aproveitando para assediar (xaveco mesmo ) as potenciais consumidoras.

O ponto positivo foi encontrar um local de venda dos livros da Expressão Popular, Boitempo e Perseu Abramo. E nesse espaço encontrar uma ex-militante do MPL-Joinville que hoje se encontra na luta pela reforma agrária com o MST, também conheci um simpático e inteligente representante da Expressão Popular.

Estão previstas algumas atividades como exibição de curtas, oficinas, teatro, conversas literárias. Abertura ficou por conta do escritor Moacyr Sclier, fiquei longe da palestra, não tenho paciência para o escritor gaúcho. Essas são atividades que são louváveis. Veja a programação completa aqui

A sensação que tenho é de uma feira de mentira como se fosse uma feira de verdade, porque os livros não estão com preços mais baixos, a concentração de material de papelaria e outras coisinhas sem graça é o que faz atmosfera do ambiente. Bem, meu olhar inicial foi um tanto destrutivo. Por isso, é melhor você comparecer e tirar suas próprias conclusões. Enquanto isso vou silenciar meu mau humor e em outro momento voltarei a Praça Nereu ramos, quem sabe seja possível levar minha priminha Tammy.

Nenhum comentário: