sexta-feira, 17 de outubro de 2008

[ "Anti" - Campanha Eleitoral ] Contra os Direitos Humanos ?

A postagem da última quinta-feira estava falando dos Crimes de tortura e no Jornal A notícia de hoje saiu uma carta atacando os direitos humanos.

Abaixo a carta completa:

"Direitos humanos

Lendo a crônica em que a advogada do Centro dos Direitos Humanos de Joinville, Cynthia Maria Pinto da Luz, critica a abordagem da PM durante as eleições no bairro Comasa (“Crime de tortura”, 15/10, página 3), fico a me perguntar: quais os procedimentos que o centro adotou na ocasião da morte do policial Sidnei Rodrigues, no PA do Itaum, no dia 30/7?

Onde estão as palavras e medidas de alento à família do PM que morreu por estar conduzindo um preso ao PA? Qual o encaminhamento para resguardar os direitos do policial morto em serviço? Que cursos estão sendo ofertados aos PMs no sentido de treiná-los melhor, já que, segundo ela, “não estão preparados”?

Sempre que o Centro de Direitos Humanos se manifesta é para proteger presos e supostas vítimas de violência policial, jamais defende o policial vítima. O órgão deveria, antes de tudo, prestar assistência aos humanos direitos.

Paulo Curvello

Balneário Camboriú" Fonte clique aqui.

Por conta disso acabei de enviar uma carta para o mesmo jornal.

Leia abaixo:

"Na edição do dia 15/10 foi publicada uma interessante crônica sobre abordagem policial, assinada por Cynthia Maria Pinto da Luz, advogada do CDH (Centro dos Direitos Humanos de Joinville), sendo que na edição do dia 17/10, o leitor Paulo Curvello cobra dos direitos humanos a ausência da entidade na hora de apoiar as famílias vítimas da violência urbana e traz o tradicional argumento de que os direitos humanos somente estão presentes para defender “presos e supostas vítimas de violência policial”, chegando ao ponto de determinar que a preocupação do CDH devesse ser com os tais “humanos direitos”.

A família que sofre com a violência urbana, como no caso do policial militar morto em serviço, é o papel de o Estado direcionar todo o apoio, se tratando na questão dos treinamentos mais uma vez é papel do Estado em preparar e trazer uma abordagem com olhares voltados aos direitos humanos, sendo que com certeza poderia contar com apoio de agentes externos da Polícia Militar para contribuir nos treinamentos, como o próprio CDH.

No que diz respeito aos “humanos direitos” mais uma vez volta é uma argumentação lamentável e elitista. Felizmente, na Declaração Universal dos Direitos Humanos e a Constituição Brasileira de 1988 faz a abordagem de que todos os seres humanos são iguais e merecedores do mesmo tratamento. Por isso, a existência do CDH de Joinville se faz muito importante nesses últimos 29 anos, em que os direitos humanos continuam sendo desrespeitados e deixados de lado por conta dos agentes públicos, pelo Estado e infelizmente até mesmo pelos principais benecificiados com os direitos humanos, como o Paulo Curvello, autor da lamentável carta.

Por Maikon K"

Por favor, se manifeste no Jornal A notícia.

Nenhum comentário: