quarta-feira, 15 de abril de 2009

Alegria


Ele emergiu do subsolo feito um mergulhador que retornava de alguma profundeza lamacenta, e respirou com prazer o ar da noite. Enfim se via livre daquele ambiente de podridão respeitável! Tudo naquele pardieiro abjeto estava terrivelmente adulterado, tornara-se impermeável à alegria. Por quê, meu Deus ? Será que a alegria era atributo exclusivo dos ricos ? Erro fundamental. A alegria se encontrava até na prisão, Yéghen sabia melhor que ninguém. No entanto, essa verdade tão simples virava motivo e suspeição aos olhos da mãe, que só via nela torpeza e preguiça. Desconfiava de qualquer alegria gerada em meio a tormentos; não seria um insulto a sua miséria ¿ É claro que , para além daquela complacência no infortúnio, havia de fato um sofrimento real, que Yéghen não procurava negar."


Página 75 e 76 do livro Mendigos e Altivos por Albert Cossery

Um comentário:

Filipe Ferrari disse...

Hum, eu já pesquisei ele por aí, mas não achei nenhum livro dele... Tens alguma coisa?