quinta-feira, 2 de abril de 2009

As manias com os filmes

Eu não sou um cara ligado aos filmes. O meu hábito se limita assistir aos filmes como entretenimento para passar as horas naquele dia que tá sufocante ou sem nada para fazer e, geralmente, como objeto para trabalhar em sala de aula.



Outro detalhe é que não de sou de assistir filmes sem ninguém ao lado, sendo que são poucas as pessoas que sei partilhar o momento, a Bá, foi a melhor pessoa que conheci para assistir um filme. Gosto de partilhar algumas rápidas palavras após uma cena que marcou. Não gosto da nomeação “cult” para os filmes – o mesmo vale para tudo - e nem gosto que as legendas finais sejam cortadas, como Matheus já fez.



Aí, já é de se esperar que não escrevo sobre filmes.



Lembrei de outra mania, não gosto de ler criticas de filmes antes de assisti-lo.


Escrevi até aqui para dizer que acabei de assistir o filme “O lutador”, indicado pelo Bruno Bello, onde Mickey Rourke é Randy “The Dam” Robison, um lutador daquelas brigas no ringue que aprendemos ser uma mentira e tudo armação, até certo ponto é um fato, mas entre todas as encenações a vida existe e pode ser dura. Como uma garota com seu pai ausente, uma stripper, interpretada por Marisa Tomei, que vive o conflito de manter sua profissão e juntar uma grana para comprar um teto melhor para seu filho ou largar a profissão e se permitir compartilha os momentos com um homem vivo e duro.



Entre os clássicos do “hardrock” da década de 1980, a vida miserável e todas as peças que encontramos ou criamos são percebidas no filme, tendo uma montanha de músculos dominados por drogas e amarguras encontram-se um sentido somente continuando em pé no ringue.



Por fim, acabei traindo todas as minhas manias com os filmes, assisti o filme por interesse e não para passar o tempo ou como pesquisa para o ensino, estive sozinho em todos esse momento, mantive o silêncio e escrevi sobre um filme. Ainda que, não deixe cair a minha opinião de que o termo “cult” é muito próximo de uma segregação.

3 comentários:

Bruno disse...

hahahahaha
odeio o termo cult tb,
agora esse filme é legal assitir
sozinho.

abraço.

Filipe Ferrari disse...

Eu não assisti ainda, mas vendo você falar sobre filmes, e companhias e tal, me lembrei daquelas tardes de Cine DCE, de coisas como "y tu mamá también"...

Filipe Ferrari disse...

É o próprio Dalton sim, e é no prédio da Ufpr. Tenho relaçoes sentimentais com essa foto, hehehe...

Boa viagem na terrinha!