sábado, 11 de abril de 2009

A escolha tardia

No ano passado o blogueiro Neander, que hoje vive em Guaratuba-PR, puxou a minha orelha. A razão era a minha falta de paciência ao ouvir os comentários críticos sobre as minhas posições ou práticas tomadas no cotidiano. Eu escuto e logo retruco, buscando afirmar de que estava correto em tal contexto. Naquele momento tentei explicar para o Neander que quando escuto qualquer crítica levo em meus pensamentos e com os dias desenvolvo uma reflexão, muitas vezes aceitando a crítica e buscando a reconstrução.



Na presente semana viajei da cidade, numa terça-feira de manhã, com o único motivo de aliviar os meus pensamentos e meu coração. Uma cidade diferente e amigos e amigas de longa data e outros mais recentes, onde conversas sobre política, desemprego, violência urbana e amor estiveram nas rodas de papo.



Durante os dias fora da cidade, o blogueiro Filipe Ferrari, que hoje vive em Jaraguá do Sul-SC, veio conversar e comentei do que se passava comigo: “Filipe, mais uma vez demorei para tomar uma decisão e perdi o meu chão.” A resposta foi um: “você e esse seu tempo lento” O Filipe já me conhecendo foi mais pragmático no comentário, assim acertando em cheio.



Os dois caras estão certos. No meio disso tudo as pessoas ao meu redor precisam de paciência para as decisões no que envolve as coisas do coração, na mesma medida que preciso desenvolver uma paciência para lidar com os reflexos das minhas escolhas tardias.



Em dias como os últimos: Preciso agir como a garotinha do filme "A culpa é do Fidel", ou seja, a cada momento executando os objetivos.

Um comentário:

Filipe Ferrari disse...

Se eu soubesse que ia render tanto assim, tinha te xingado antes... Mas as coisas são assim mesmo, eu também sou um cara lero, e quando eu tento pensar rápido, só tomo na cabeça. No teu caso, nem sei se é lerdeza, ou a velha história do gato escaldado com medo da água fria...