sábado, 9 de maio de 2009

A leitura unilateral

Ao pensar a postagem de hoje, caro leitor. Precisei fazer uma nota introdutória: Vou escrever sobre jornalismo, na verdade, será sobre uma jornalista com uma matéria especifica numa situação que não tenho de memória outras matérias dela, aí a minha medida de avaliação será a reportagem sobre o aumento da tarifa no transporte coletivo de Joinville.



Na edição de ontem do Jornal A notícia saiu uma reportagem sobre o aumento da tarifa no transporte coletivo, autoria da jornalista Rosane Felthaus, que aborda a boa notícia como sendo a assinatura do prefeito Carlito Mers – do PT – do passe livre universal para pessoas acima dos 60 anos, enquanto a má notícia sendo o aumento da tarifa em torno dos 7%.



O que me assustou na cobertura jornalística é ausência de todos os interessados no tema do transporte coletivo, como não entrevistar os usuários-as, os movimentos sociais e organizações políticas que há anos discutem o tema e hoje estão organizados na Frente de Luta Pelo Transporte Público?



A importância da organização e mobilização da Frente de Luta pelo Transporte Público é uma realidade, um exemplo é a reunião realizada com o prefeito Carlito Mers, no último dia 12 de março e seguido de uma manifestação pública na praça da bandeira, mesmo com o anúncio de uma forte chuva.



No meio disso tudo somente veio a minha lembrança as falas dos meus amigos jornalistas: “uma regrinha básica é ouvir todos os lados.” O que nem sempre é levado a sério, um exemplo é a matéria de grande discussão na realidade da cidade, onde mais uma vez a opção da técnica, argumentada pela PMJ - Prefeitura Municipal de Joinville -, representada na figura do prefeito e seus técnicos do SEINFRA, poderá passar por cima da leitura política do tema, aí quem perde é a população, seja com a matéria unilateral no jornal ou com a argumentação técnica das Empresas Gidion e Transtusa e a PMJ.

Um comentário:

Upiara Boschi disse...

Ouvir "todos os lados" é uma meta que nem sempre é possível no jornalismo diário. Essa não era a primeira e nem a última matéria sobre o assunto e estava centrada mais na aparente tomada de decisão do que na discussão do ato em si.

Mas não vamos esquecer de cobrar aquelas reivindicações que vocês apresentaram ao prefeito (e ele aceitou). Foi para isso que pedi teu número. Só espero que vocês não avaliem toda uma cobertura com base em uma matéria - correta, diga-se de passagem.

ps. coloquei aspas no "todos os lados", porque no caso do transporte coletivo é muito dificil definir o que significa isso. Um terço da população de Joinville anda de ônibus. Posso falar com a Frente e com o Coman e mesmo assim ainda vai faltar muito lado...