quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Subemprego e a literatura

Você assistiu o filme “Anti-herói americano” e achou o máximo a vida do Harvey Parker. Leu Kerouac e deliciou-se com a vida de subempregado e escritor. O velho Buk te encanta ainda mais, já que fazia muito sexo, apostava nas corridas de cavalos, escrevia e sempre estava pulando de subemprego a subemprego. O Henry Miller vivendo entre as prostitutas, bêbados, sugando aqueles os ricos, da capital francesa, onde faziam de tudo para sentirem os cheiros da literatura e da arte. E imagina Hunter Thompson, escrevendo matérias loucas e consistentes, tomando muita bira e conhecendo o mundo. Diz aí, inspirador?




Todas as experiências citadas têm uma veia literária, um sabor vigoroso! Leituras importantes para os anos que passamos sentados nos bancos do campus universitários. O próprio Kerouac se cansou desses bancos, caiu na vida dos subempregos, estradas e literatura. Então, está pensando em largar tudo? Faça. A previsão não é nebulosa e nem ensolarada, é preciso tirar a bunda do cimento e ir, quem sabe você volte com um livro, experiências ou um novo vigor para se manter vivo.




Hoje vivo uma experiência de forte apelo literário, ao menos, Charles, Henry, Jack, Harvey e tantos outros e tantas outras souberam encontrar um apelo literário. Eu tenho um subemprego, mesmo diplomado (sic) para professor, faça mediação numa galeria de artes plásticas da iniciativa privada, em outros momentos faço o papel de operador de som, de luz, fotógrafo, alimento um blogue, carrego caixas, subo e desço escadas para uma pequena e nova Companhia de teatro. Diz, sentiu a veia literária, né?




O subemprego seria agradável e inspirador se não fosse triste e estivesse me magoando constantemente. Agora, com uma barriga maior dos tempos de estudante, dias desalentadores, uma fraqueza substancial para sair da frente do computador e criar, criar mesmo. Sabe, em tais condições fica evidente que roubaram toda literatura do bagulho.

5 comentários:

marcio.rocha disse...

Parabéns pelo blog Maikon!!!!
É sempre bom descobrir que ainda existem uns pirados (estou incluído nessa definição rsrsrsrs) por aí.
Viva a rebeldia literária!!!!!

Filipe Ferrari disse...

Perfeito.

Aliás, tua escrita tem melhorado... Uma vida de excessos (alcoólicos e tal), também não produz nada de literário.

Wesley disse...

talvez você tenha "distimia", é uma doença. Eu acho que tenho, as vezes. Nunca fui no médico pra tirar a dúvida. Se você fazer uma busca no Google é capaz de se identificar com 100% dos sintomas!
mas essa é uma das características dessa doença, vc até pode se identificar com 100% dos sintomas, mas isso não significa que você seja portador do mal. Para a se caracterizar oficialmente "distimia" tem q ser analisada por, no mínimo, 2 anos por um especialista.

agora, do teu texto só ficou uma dúvida: o q seria um emprego?

o Cheff disse...

Bom, não sei se serve de consolo, mas tu tá escrevendo bem pra caramba.

bjs.

Anônimo disse...

noises unbelievable dbfkdbfk dunedin gravitate soluble nato adis pdfemail kinetics soldier
semelokertes marchimundui