segunda-feira, 27 de julho de 2009

De fato uma minoria absoluta

No meu quarto tem dois livros publicados pela Antígona, editora portuguesa, ainda pouco lendo a página Passa Palavra encontro:


Saramago nunca mijou fora do penico, nunca fez uma crítica que ultrapassasse o stalinismo. Ele é o produto de uma sociedade que preza o quantitativo, procedeu a uma construção espectacular para promover uma técnica de escrita, mas o que há por detrás disso? Saramago representa tudo, mas tudo, o que a Antígona critica; ele representa todas as banalidades do mundo.”


É um trecho da entrevista de Luís Oliveira, autor do comentário em itálico e o homem por trás da Editora Antígona. No mundo dos apaixonados por Saramago, de fato Luís Oliveira faz da Antígona uma editora da minoria absoluta.