quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Marco e Carlito: um ponto em comum

O ex-prefeito Marco Tebaldi – do PSDB – não precisa voltar a qualquer cargo nos aparelhos do Estado para instaurar a perseguição a qualquer um que resolva fazer a história, fazer política no campo dos movimentos sociais, populares e entidades de classe. Ao menos é o que percebo ao ler a Nota da Secretária de Habitação da PMJ.


A Nota em questão deixou claro, mesmo numa administração do Carlito Mers – do PT -, que as perseguições aos movimentos sociais continuarão. Segundo a Nota, quem estiver participando de ocupações de imóveis abandonados “será retirado da lista de espera por uma casa ou lote”. No caso do problema habitacional a perseguição é “política”.


Bem, as lideranças petistas, ao contrário das lideranças tucanas, gostam de se identificar com o passado de luta e compromisso com a justiça social e até mesmo com as bandeiras anti-capitalistas. Então, não estranhará que as bandeiras de lutas dos movimentos sociais, populares e entidades de classe se manterão erguidas enquanto durar a exploração.