quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

O tempo e as músicas


Os tempos passaram. Uns estão empregados, outros desempregados, uns estão casados, outros separados e tem uns que estão naquele vai e vem de uma relação à outra. Uns estão certos, já outros, continuam com os erros. Uns são felizes, outros se mantém na montanha russa das tristezas a momentos empolgantes. No fundo, a todos, os tempos passaram e fazem das memórias sobras provocativas delineando um sorriso nos lábios, fazendo os pés baterem no chão, como se no quarto tocasse as músicas certas daqueles dias, chega a fazer os corpos dançarem na frente do espelho, como se todos nós estivéssemos prontos para uma festa com muita tequila, vinho chileno e uma geladeira cheia de cervejas. Nesse momento está como se a música crescesse no ritmo da beleza transformadora das nossas faces, os nossos passos são levados a inusitada sensação de um amor, de um amor meigo, brincalhão, divertido a caminho do campus, debaixo de um sol das 8 da matina. Graças as histórias vivenciadas coletivamente, possuímos memórias.