sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Macunaíma


Macunaíma”, livro escrito em 1929 por Mario de Andrade, figura com destaque entre os trabalhos modernistas dos anos 1920 e 30, é reconhecido como a obra literária de grande importância para o entender o Brasil. Faço referência ao entendimento literário, mesmo que, obviamente, a produção literária é fruto do seu meio, na mesma medida a leitura. Os modernistas tiveram um papel importante no que remete ao conteúdo de suas obras. Segundo críticos, os modernistas não foram transformadores na questão estética, valorizaram mais o conteúdo. Eu não tenho propriedade no assunto, mas vale a pena perceber as duas linhas interpretativas da  Semana da Arte Moderna de 22.


Eu, como outros produtos da Escola Pública Brasileira, tive primeiro acesso a adaptação cinematográfica do que o livro. O filme Macunaíma é de 1969, assisti na década de noventa, provavelmente numa madrugada no Canal Bandeirantes, devo ter sido surpreendido com a cena do nascimento do Macunaíma, no filme representando pelo Grande Otelo e depois por Paulo José.  A direção do filme ficou a cargo de Joaquim Pedro de Andrade, acompanhada de um elenco fodido de bom.  “Macunaíma” é daqueles filmes que ao passar dos anos traz outros significados e sentidos. Por exemplo, hoje identifiquei a música de Jards Macalé.


No presente momento não vale discorrer sobre o filme. Afinal, o filme estará sendo exibido no Cine-Teatro do SESC de Joinville, vá, assista e desenvolva uma opinião.





Filme: Macunaíma
Direção Joaquim Pedro de Andrade
Ano: 1969
Duração: 108 minutos.
Local: Cine-Teatro do SESC de Joinville
Horário: 19h:30
ENTRADA FRANCA



2 comentários:

Menina Maçã disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Menina Maçã disse...

essa obra, principalmente a literária de Macunaíma me marcou muito na universidade...acho que foi lá pelo segundo ano de Letras que começamos a estudar a corrente modernista e, com ela Macunaíma. Me interessei tanto pela obra - inclusive minha "equipe" ficou encarregada de apresentar sobre o tema - que consegui pela internet uma tese de mestrado inteirinha, falando tbem da produção cinematográfica e até do enredo de escola de samba que teve "Macuna" como base. Enfim...a história me encanta muito, a narrativa de Mário de Andrade então, sem comentários - na ocasião da leitura, mais que a metade da minha sala não conseguia "dar conta" do texto, com certeza não captaram a genialidade por trás das linhas...toda a peculiaridade desse antiherói tipicamente mundano! adoro demaissssss!