quarta-feira, 31 de março de 2010

As intervenções

Os reflexões da primeira proposta para colocar a boca no trombone está crescendo. O mais empolgante é saber que a iniciativa já está sendo aplicada por diferentes pessoas. Faço a reprodução de uma mensagem e imagem em circulação em diferentes mensagens.

"Nossa cidade está passando por mais um momento de exploração pelo transporte coletivo, as empresas de ônibus estão pedindo mais um aumento de passagem.
Péssimo para nós, os usuários.
Está rolando pela cidade várias Inserções nas passagens que agora são cartões retornáveis.
Essas inteserções consistem em escrever nos cartões frases, que reclamem o aumento, questionem os outros usuários sobre a participação para barrar o aumento, fomentem a crítica ao transporte, etc...
        Esse é um meio de comunicação popular que está sendo utilizado por diversos usuários e que causa uma interferência no meio desse circuito ideológico de transporte privado e lucrativo.
         As inserções não são novas e foram muito utilizadas na década de 60 e 70, como sabemos, durante o processo da Ditadura Militar no Brasil. O artista Cildo Meireles  foi o precursor  dessa Ação. Percebendo que na sociedade havia circuitos, assim como o nosso atual da passagem retornável, aproveitou o próprio circuito para criticá-lo. Assim foram as suas Inserções em circuitos ideológicos.
        Na insersões em circuitos ideológicos - Quem Matou Herzog? (foto em anexo), o artista utilizou o circuito da cédula (na época cruzeiro) para questionar o suposto suicídio do jornalista Wladimir Herzog, encontrado morto no DOI-COD, veiculo de repressão da Ditadura Militar.
          Na inserções em circuitos ideológicos - Projeto coca-cola (foto em anexo) o artista utilizou as garrafas retornáveis de coca-cola para questionar a invasão do modo de vida americano no país. Nelas ele colocou a frase: “ Yankees go home” ou seja “Americanos vão pra casa”.
         Além das inteserções, músicas, teatros e demais trabalhos artísticos, a Ditadura Militar foi encarada por dezenas de manifestações contra o regime.
          Como vemos em outros momentos da história do país, as inserções estiveram presentes como foram de questionamento, protesto e crítica.
Esse é um desses momentos, não deixe de fazer a sua parte, seja nas passagens, seja nas ruas!"

Nenhum comentário: