sábado, 10 de abril de 2010

Transporte público em Hasselt, Bélgica

A cidade Hasselt, na Bélgica, realiza um modelo de transporte público e gratuito. Na postagem de hoje faço a reprodução de um artigo publicado no Tarifa Zero:


"A cidade de Hasselt, capital da província de Limburg, na Bélgica, faz parte de um pequeno, mas crescente, número de cidades ao redor do mundo que estão oferecendo tarifa zero no transporte público.
 
Desde 1º de julho de 1997, as linhas municipais de Hasselt são de uso gratuito para todos e, no caso de linhas centrais, até mesmo não-habitantes da cidade usufruem da tarifa zero.

A idéia do transporte público gratuito teve início em meados de 1996, a partir da Política Integrada de Transporte, desenvolvida pelo ministro de Transporte de Flandres (região flamenga, no Norte do país) Eddy Baldewijsn, que estabelecia o transporte público como prioridade.  A cidade de Hasselt foi uma das primeiras a subscrever o plano. O prefeito Steve Stevaert propôs conceder primazia ao transporte público sob o lema “a cidade garante o direito à mobilidade para todos”.

Aspectos do sistema de transporte
As linhas locais são chamadas de Linhas H e funcionam das seis da manhã até sete da noite. Há um intervalo máximo de 30 minutos de espera entre um ônibus e outro. Em algumas linhas são adicionados ônibus extras nos horários de pico – das sete às nove da manhã e das quatro às seis da tarde. As linhas circulares da região do boulevard têm intervalos de cinco minutos e as circulares do centro, intervalos de dez minutos. Quase todos os ônibus locais são adaptados para cadeirantes.

O serviço regional de transporte (Linhas Vermelhas) é gratuito para moradores de Hasselt, desde que mostrem seus cartões de identidade para o motorista do ônibus. Quem não mora em Hasselt paga a tarifa comum, exceto crianças com menos de 12 anos. As linhas regionais Azuis têm uma tarifa própria. Na combinação do uso de linhas regionais e locais, os passageiros pagam a tarifa comum pela viagem completa.

Controle tarifário e inspeção
Nas Linhas H, passageiros não precisam apresentar nenhum tipo de documento. Não há fraude possível, já que o serviço é gratuito. Ainda assim, as rotas são monitoradas para propósitos de controle de qualidade.

Resultados da tarifa zero
Após a introdução da política de tarifa zero, o uso do transporte público aumentou imediatamente e se manteve alto, sendo, hoje, dez vezes maior se comparado ao período anterior. O site oficial de Hasselt registra o crescimento da seguinte forma:
Ano Passageiros Porcentagem
1996 360 000 100%
1997 1 498 088 428%
1998 2 837 975 810%
1999 2 840 924 811%
2000 3 178 548 908%
2001 3 706 638 1059%
2002 3 640 270 1040%
2003 3 895 886 1113%
2004 4 259 008 1217%
2005 4 257 408 1216%
2006 4 614 844 1319%
Por garantir acesso à tarifa zero no transporte público, o site de notícias http://gva.be descreveu o cartão de identidade dos habitantes de Hasselt da seguinte forma: “vale como ouro”."


FONTE: http://tarifazero.org/2009/08/13/transporte-publico-gratuito-em-hasselt-belgica/

Duas opiniões sobre o transporte coletivo

"Mais um aumento na tarifa de ônibus?" é o nome do artigo assinado pelo Hernandez, inicialmente publicado no Jornal Notícias do Dia, 18 de março de 2010. O vereador Adilson Mariano, no dia 06 de abril de 2010, também publicou suas considerações no mesmo jornal, leia aqui*


*Tanto Hernandez (do PSOL) e Adilson (do PT) não estão compartilhando completamente do meu ponto de vista, inclusive dos meus compas de organização. Porém, o debate por um transporte coletivo público é de grande importância, o precisa ser construindo sem as tradicionais defesas de teses, mas numa construção coletiva do transporte público. 



O processo é lento


"O processo" por Be Negão e os Seletores de Freqüência
O vídeo de sexta-feira foi uma sacanagem de leve com a classe média.  Agora faço uma postagem de música dançante para quem luta por um transporte coletivo público. Afinal, "O processo é lento. Tem que trabalhar, trabalhar feito um operário (só que sem horário)"