quarta-feira, 19 de maio de 2010

Vestindo verde em estado de greve


Vesti o meu moletom verde, coloquei o capuz na minha cabeça e resolvi escrever  para o vivonacidade. Nos últimos três meses tenho questionando a qualidade da minha escrita, muitas vezes sem uma profundidade necessária para contribuir de maneira relevante aos debates.

Peraí, debates?

Realmente estou falando de outra cidade, por aqui habitualmente se tem medo de debater, um receio da construção de um ponto de vista coletivo. Não estou escrevendo sobre a atual gestão da Prefeitura Municipal de Joinville, faço referência às próprias pessoas que em determinados momentos estão lado a lado nas lutas sociais. Quando nos seus turvos pensamentos o debate é confundido com as estúpidas “defesas de teses”.

Voltando. O blog vivonacidade está perdendo o sentido, a razão de existir, ao menos pra mim. Eu tenho pensado em seguir um rumo diferente, um caminho em que a pedra seja largada após consistentes reflexões. O que não está ocorrendo por aqui, como  já foi dito de maneira doce. E hoje, enquanto caminhava com meu irmão, voltei ouvir  as mesmas considerações.

Por enquanto quero voltar-me ao ofício de historiador. Aliás, fui contratado para executar a função de historiador no novo documentário do Fabrício Porto, cujo tema é a Ditadura Militar em Joinville. O trabalho profissional tomará um bom tempo. Também estou inserido num projeto de extensão da UNIVILLE, onde estarei investigando o protagonismo da juventude do (no) bairro Jardim Sofia.Sem contar as novas experiências teatrais, que me fizeram voltar à sala de aula da universidade. Só que assumindo um papel diferente. Ao mesmo tempo continuarei agir, pensar, refletir e registrando por meio das palavras escritas ou faladas ou simplesmente com as ações do corpo, mas longe desse "espaço virtual".


Por isso, vestido com meu moletom verde, declaro “estado de greve!”. *




  *Se você leu até aqui. Achou tudo isso uma bobagem, afirmando que não era um texto que esperava no vivonacidade. Pois bem, isso dá mais razão para manter a greve** de pé.
** Essa bobagem toda de “greve de blogueiro” foi inspirado no péssimo livro “Greve da Arte”, do Stewart Home.
*** Na primeira foto uma demonstração de tristeza por precisar entrar em grreve. A segunda foto já estou seguindo ao pé da letra a pedagogia do punk rock. Ou seja, é melhor viver o que a cidade tem, se precisar mudar é levantar as mangas e buscar mudar o que for preciso!

Teatro na quinta-feira

Eu já estava esquecendo de informar da apresentação da peça "Histórias de Malasartes - um malandro de coração", que será nessa quinta-feira. Mais informações:

"Projeto ALTERNATIVAS – 10 Anos

Espetáculo: Histórias de Malasartes – Um malandro de coração
Grupo: Cia Rústico Teatral (Joinville-SC)
Local: Sede da Amorabi – Rua dos esportistas, 510 Itinga
Data: 20/05/2010 - quinta-feira
Horário: 20h
Indicação: A partir de 08 anos
 
ENTRADA GRATUITA
 
Informações: 3465 2075 – amorabi@terra.com.br ou 8474-8221 c/Samantha Cohen.
                   
O espetáculo Histórias de Malasartes – Um malandro de coração, da Cia Rústico Teatral de Joinville, será atração na próxima quinta-feira, dia 20 de maio, às 20 horas, na sede da Associação dos Moradores e Amigos do Bairro Itinga – Amorabi, em Joinville.
 
O espetáculo faz parte do projeto Alternativas 10 anos. O Alternativas é uma iniciativa da Associação de Moradores e Amigos do Bairro Itinga – AMORABI, e conta com o patrocínio do SIMDEC – Sistema Municipal de Desenvolvimento pela Cultura, Fundação Cultural e Prefeitura de Joinville.
Todos os meses a comunidade tem a “alternativa” de assistir gratuitamente apresentações realizadas por artistas joinvillenses que visitam a sede da associação de moradores do bairro. Além de promover apresentações artísticas o Alternativas também estimula a formação de novos artistas moradores do bairro através do Curso de Teatro do Itinga oferecido para crianças, adolescentes, jovens e adultos.

Sinopse do espetáculo:
Pedro Malasartes é um malandro fácil de ser encontrado na literatura mundial. Aqui mesmo no Brasil encontramos inúmeras histórias dessa figura que, por meio da sabedoria popular, engana todos aqueles que se acham os donos do mundo, seja porque têm mais dinheiro e pensam que os pobres devem servi-los sem pestanejar, seja porque se consideram mais inteligentes. Nas quatro histórias desse espetáculo, são apresentadas as artimanhas que Malasartes inventa para sobreviver nesse mundo de espertezas e de jogos perversos.
 
Realização: Associação dos Moradores e Amigos do Bairro Itinga – AMORABI"